top of page

91% dos brasileiros percebem a mudança climática e estão preocupados


Se a 28ª Conferência das Partes das Nações Unidas sobre Mudança Climática (COP28) mostrou que ainda existem líderes mundiais que não se atentaram ao aquecimento global, uma pesquisa realizada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) revela que a população brasileira está mais preocupada atualmente. No ano passado, o mesmo estudo trouxe que 86% dos entrevistados entendiam o fenômeno como grave. Esse ano são 91% deles.


A maioria (61%) considera que esse problema é urgente e deve ser combatido imediatamente. Entre as situações de clima extremo mais percebidas estão o aumento da temperatura, assinalada por 92% dos participantes. A diminuição das chuvas foi percebida por 66% deles. Os rios mais secos por 55%. Mas, esses números podem ser diferentes por região.


Como o Brasil enfrenta o problema?


A preocupação dos brasileiros tem como influência importante as ações ambientais de controle e fiscalização dos governos. Para 55% deles, a conservação do meio ambiente é ruim ou péssima. Mas, há uma divisão sobre ações específicas:

  • Atração de recursos de outros países para proteção da Amazônia: para 32% melhorou e para 22% piorou.

  • Combate ao garimpo ilegal: para 32% melhorou e para 24% piorou.

  • Combate ao desmatamento ilegal: para 30% melhorou e para 33% piorou.

  • Combate às queimadas: para 29% melhorou e para 37% piorou.


Esses dados explicam porquê ainda existem tantos brasileiros desconfiados quanto ao cumprimeto da meta de redução dos gases de efeito estufa. Apenas 17% creem que o país atingirá a meta. Para 36%, será parcialmente cumprida. Outros 37% acham que não será possível.


Apesar da maioria estar descrente, 80% acreditam ser possível combinar desenvolvimento econômico com proteção do meio ambiente e 61% veem o Brasil como protagonista da economia verde.


“O Brasil tem uma grande vantagem comparativa diante de outros países, mas precisamos trabalhar muito para que esta vantagem se torne vantagem competitiva na transição energética. Assim, poderemos ampliar a matriz preponderantemente de fontes renováveis e a possibilidade de exportar energia. O Brasil tem a oportunidade de ser líder mundial da nova economia verde”, afirma Roberto Muniz, diretor de Relações Institucionais da CNI.

2 visualizações0 comentário
bottom of page