Ameaçada de extinção,jaguatirica é capturada no perímetro urbano de Dracena e solta no Parque Estado

Espécie corre alto risco a médio prazo, 'em decorrência de alterações ambientais preocupantes ou de sua redução populacional, ou ainda, da diminuição da sua área de distribuição’.


Jaguatirica foi capturada no perímetro urbano de Dracena (SP) — Foto: Polícia Militar Ambiental


A Polícia Militar Ambiental capturou nesta sexta-feira (19) uma jaguatirica que havia aparecido no perímetro urbano de Dracena (SP).


Por estar em boas condições sanitárias, o animal foi solto no interior do Parque Estadual do Rio do Peixe, em Presidente Venceslau (SP).

Conforme o decreto estadual nº 68.853, de 27 de novembro de 2018, a espécie, que leva o nome científico de Leopardus pardalis, está ameaçada de extinção, na categoria “vulnerável”.

Isso significa que se trata de uma espécie que “apresenta alto risco de extinção a médio prazo, em decorrência de alterações ambientais preocupantes ou de sua redução populacional, ou ainda, da diminuição da sua área de distribuição”.

A jaguatirica é um felino distribuído pelas Américas Central, do Norte e do Sul que tem como hábitat áreas de caatinga, cerrado e pantanal, mas, principalmente, florestas tropicais e subtropicais (inclusive matas de galeria).

Carnívora, alimenta-se de mamíferos de pequeno e médio portes, aves, répteis e peixes. Procura um par somente na época de acasalamento. A gestação varia entre 70 e 85 dias, nascendo de um a quatro filhotes com peso entre 120 a 340 gramas.

De médio porte, os machos são maiores do que as fêmeas, podendo medir um metro, mais a cauda com até 40 centímetros, pesando entre oito e 15 quilos.


Tem coloração variável, de cinza-amarelado bem pálido ou amarelo-claro a um castanho-ocráceo.

As manchas negras tendem a formar rosetas abertas, desenhando traços longitudinais. São animais solitários, de hábitos noturnos, e excelentes nadadores e escaladores de árvores.

O território de um macho adulto varia em torno de 18 km².


Fonte: g1

2 visualizações0 comentário