Jundiaí tem 36 locais 'viciados' de descarte irregular de resíduos


Os materiais descartados com maior frequência são restos de construção, vidros, madeira e resíduos verdes - Crédito: DANIEL TEGON POLLI



O descarte irregular de resíduos em Jundiaí é um problema recorrente em alguns pontos. Segundo dados da Prefeitura de Jundiaí, cerca de 36 pontos foram identificados como locais com vício em descarte irregular, ou seja, quando o descarte acontece com frequência. Os materiais identificados e descartados com maior frequência são restos de construção, vidros, madeira, resíduos verdes (resíduos de poda e corte de mato) e móveis.


Um dos locais onde os resíduos são descartados com frequência é o Jardim Fepasa. Todos os dias é possível ver restos de entulho no local. Moradora do bairro, em uma casa em frente a um terreno vazio, onde o resíduo é descartado, Luana Aparecida conta que apesar de morar no local há apenas 3 meses, já viu de tudo. "Todo dia é isso. Jogam de tudo. Desde entulho até sobras de material de construção e móveis. Já denunciamos, mas ninguém faz nada para resolver", relata.


A moradora revela outro problema recorrente por causa de todo o resíduo acumulado. "Diversos animais já entraram em casa. Baratas é o que mais têm, mas já encontramos muitos escorpiões e até ratos. Isso porque eu moro atravessando a rua, os vizinhos colados no terreno sofrem mais ainda", afirma.


Segundo a Unidade de Gestão de Infraestrutura e Serviços Públicos (UGISP), por meio do Departamento de Limpeza Pública, informa que os locais com vício são identificados com placas, alertando sobre a proibição de descarte irregular. Esses locais, geralmente, são em endereços afastados, sem muitas residências próximas e nas divisas de município. Também existem placas em pontos, como praças e equipamentos públicos, para orientar a população. Os locais com denúncias ficam nos Vetores Norte, Oeste e Leste da cidade, onde ainda existem áreas sem construção e afastadas de moradias.


Conforme a Lei Municipal 2.140/1975, o descarte irregular é considerado crime e pode render multa de R$ 500 a R$ 11 mil para quem for flagrado praticando o ato. Em caso de reincidência, o valor pode ser dobrado.


FISCALIZAÇÃO

O Departamento de Limpeza Pública informou que os Agentes de Fiscalização de Postura realizam vistorias diárias nos pontos identificados, além de também efetuarem a fiscalização a partir das denúncias recebidas pelos canais oficiais da Prefeitura: 156 e APP Jundiaí. A unidade depende do apoio da população para denunciar, caso identifique um descarte sendo feito, fotografando ou gravando a situação e enviando para o órgão. Sobre a ação, cabe esclarecer que, ao ser detectado o descarte irregular, o fiscal realiza a aplicação de multa e o infrator precisa recolher o material descartado e transportar até o Geresol.


Atualmente, há oito Ecopontos em diversas regiões, como Setor Industrial (Geresol), Parque Residencial Jundiaí, Morada das Vinhas, Jardim do Lago, Jardim Tamoio, Cidade Nova, Vila Nambi e Jardim Tarumã. A população pode, além de fazer o descarte de até 1 metro cúbico de resíduos de construção civil por residência, uma vez por semana, levar volumosos, tais como móveis, colchões, restos de podas de árvores, além de resíduos recicláveis e itens como pilhas, baterias de celular e eletrônicos.


Todo o material entregue é destinado ao Geresol, que faz a triagem e envia para a reciclagem. Caso o volume ultrapasse essa quantidade, a orientação é ir ao Geresol, onde o munícipe ou empresa serão cadastrados e orientados sobre os procedimentos corretos referentes ao descarte e a destinação correta para cada tipo de resíduo sólido. Mais informações pelo telefone (11) 4581-6707, para mais informações.


Fonte: Jornal de Jundiaí | Mariana Checoni

4 visualizações0 comentário