Megalimpeza deve retirar 12 mil toneladas de lixo do Rio Tietê



Pela primeira vez, uma megalimpeza vai retirar cerca de 12 mil toneladas de lixo e vegetação do Rio Tietê, no trecho que passa pelo interior de São Paulo. A ação, da Empresa Metropolitana de Águas Energia (Emae), começou em janeiro deste ano, e o prazo de término é de um ano.

Os reflexos da quantidade de lixo aparecem em muitas cidades. Em Salto (SP), a água fica encoberta por uma espuma tóxica. Já em Itu (SP), tem lixo até nas árvores. Pelo menos 85 quilômetros do Tietê estão poluídos. A sujeira vai de esgoto sem tratamento a garrafas pet, pneus, colchão e até tanques de combustíveis de carros.

O diretor de geração da Emae, Itamar Rodrigues, explicou que, por causa da grande quantidade de lixo, as turbinas na barragem de geração de energia em Pirapora do Bom Jesus (SP) não conseguem atingir a capacidade total.

De acordo com dados da SOS Mata Atlântica, por dia, são despejadas no Rio Tietê cerca de 700 toneladas de poluição. A diretora de políticas, Malu Ribeiro, explica que a tarefa de limpeza é muito importante, mas também representa um “enxuga gelo”.

“O ideal seria que as regiões de cabeceira do rio, as matas ciliares e as áreas protegidas fossem preservadas; que nós tivéssemos áreas de preservação urbanas protegidas, porque a ausência dessas áreas protegidas, de coleta de lixo, tratamento de esgoto, saneamento básico, é que resultam neste acúmulo de sedimento contaminado, lixo e resíduos.”

Todo lixo retirado do rio vai ser transportado por caminhões para um aterro, que fica a 70 quilômetros de Pirapora do Bom Jesus. Em pouco mais de uma semana, 390 toneladas já foram retiradas do rio durante a ação.

Fonte: G1

6 visualizações0 comentário