ADOLESCENTE ESCOLHE TER METADE DO CORPO AMPUTADO APÓS ACIDENTE

O jovem de 19 anos teve a parte inferior de seu corpo esmagada por uma empilhadeira durante um acidente


Um adolescente de 19 anos concordou em ter a metade de seu corpo amputada como forma de salvar sua vida, após de um grave acidente com uma empilhadeira em Great Falls, Montana, nos EUA.

Foto: Loren Schauers/SWNS


Loren Schauers estava trabalhando na reforma de uma ponte quando sua vida mudou completamente. Na ocasião, o jovem conduzia a empilhadeira, mas acabou despencando junto com o veículo de uma altura aproximada em 15 metros.


Conforme Loren, ele permaneceu consciente durante todo o tempo e lembra de olhar para baixo para ver que seu braço direito havia explodido e tudo abaixo de seus quadris estava completamente esmagado.


“Eu vi a empilhadeira cair em cima de mim e esmagar meu corpo. Eu estava consciente o tempo todo. Meus olhos estavam bem abertos e vi a empilhadeira descer e pousar em meus quadris e antebraço direito. Lembro-me de olhar para a minha direita com a empilhadeira no topo do meu corpo e havia um grande pedaço de músculo do meu braço caído no chão ao meu lado. Ele tinha explodido instantaneamente com o impacto”, disse Loren.


Ele conta que, a princípio, os médicos acreditaram que poderiam salvar a parte posterior de seu corpo. Só mais tarde, já em um segundo hospital, ele foi apresentado a opção de passar por hemicorporectomia – onde tudo abaixo de sua cintura seria amputado – para salvar sua vida.


“Cada profissional médico que encontro fica muito surpreso com tudo, especialmente com a história que vem junto com meus ferimentos. Não foi uma escolha difícil ter metade do meu corpo amputado – foi basicamente uma escolha de viver ou morrer, realmente não foi uma escolha difícil para mim”, explicou o adolescente que agora vive com apenas a parte superior do corpo.


Lorem e Sabia pretende se casar no próximo ano. (Foto: Loren Schauers/SWNS)



Sabia Reiche, namorada de Loren, lembra que os médicos deixaram todos preparados para o falecimento do jovem, pois mesmo que sua única chance fosse ter metade do corpo amputado, a cirurgia era muito delicada e ele ainda poderia morrer.



“Os médicos falavam que ele ia morrer, tínhamos uma conversa de despedida e depois ele não morria. Foi péssimo, para ser franco, nós odiamos. A saúde dele estava nos provocando, tipo ‘haha estamos bem agora, mas vamos morrer logo, então vocês todos ficarão tristes’, mas então ele sobreviveu”, explica.

Cerca de um mês após o acidente, a saúde de Loren começou a melhorar em uma velocidade incrível e depois de quatro meses ele já estava em casa.

“Sempre que um obstáculo se apresenta em nossa nova vida, ele simplesmente encontra uma maneira de contorná-lo e surge com uma solução selvagem que uma pessoa com capacidade ‘normal’ normalmente não pensaria. Tantas pessoas lidam com essas coisas de forma diferente e eu sinto que ele realmente venceu todas as adversidades, tanto mental quanto fisicamente”, declarou a namorada que planeja se casar no próximo ano.

Fonte: RIC Mais | The Mirror

8 visualizações0 comentário