top of page

Crise climática e os desafios de acesso à água no Chade

falta de água não é um problema do futuro e já afeta milhões de pessoas no mundo


A emergência climática é generalizada, rápida e está se intensificando. A ciência nos diz isso com números e exemplos. As pessoas ao redor do mundo experienciam isso em suas vidas cotidianas. As comunidades menos responsáveis pelas emissões de carbono que provocam o aquecimento global são aquelas cuja saúde, meios de subsistência e direitos foram mais impactados negativamente. Em todo o mundo, temperaturas mais elevadas, chuvas imprevisíveis, inundações e secas estão causando consequências terríveis para a saúde. A água – sua disponibilidade e sua qualidade – é vida, mas se tornou um perigo no Chade, na região vizinha e em muitos outros lugares ao redor do mundo.


“Este ano, há pouca água. Isto é muito difícil para nós e para os animais também.”

– Jovens no poço de água em Petit Bashom, Chade.



O impacto da emergência climática

A região do Sahel, no continente africano, é considerada uma das áreas mais afetadas pela crise climática no mundo, com temperaturas progressivas, chuvas irregulares e um crescente processo de desertificação. Nos últimos 10 anos, as regiões do Saara do Sahel se espalharam 150 quilômetros ao sul do país, resultando em áreas agrícolas e de pastagem reduzidas.


O Chade é considerado o quarto país mais vulnerável às mudanças climáticas e o segundo menos preparado para se adaptar. A insegurança hídrica e alimentar está interligada e amplificada devido às mudanças climáticas induzidas pelo ser humano e à degradação ambiental.


A desnutrição também é uma crise crônica recorrente no Chade. Crianças menores de cinco anos e mulheres grávidas e lactantes são particularmente afetadas. As causas da desnutrição são complexas e incluem colheitas insuficientes, opções alimentares inadequadas, bem como fatores socioculturais e ambientais. Em 2021, a situação foi agravada por uma estação chuvosa excepcionalmente curta. A má qualidade da água provoca diarreia e outros problemas de saúde, aumentando o risco de desnutrição para as crianças.

“O que eu preciso é de comida e água. Não colhi nada este ano. Vai ser difícil esperar até a próxima estação chuvosa.” – Khadidja Iba, com sua bebê Sara, que tem nove meses de idade.

Os desafios no acesso à água

Em um país onde as ferramentas de coleta de água artesanais são muitas vezes o único meio de acesso a este recurso, a insegurança alimentar e hídrica está sendo agravada pela crise climática. Ao depender da estação chuvosa para a agricultura, as comunidades rurais também dependem de poços para ter acesso à água para beber e cozinhar, alimentar o gado e todas as atividades diárias. A ferramenta de coleta, localmente chamada de rambaye ou puissoire, é presa a uma corda e usada para extrair água do poço (manualmente ou puxada por animais).


Há duas versões dessa ferramenta. Historicamente, elas eram feitas de pele de animal. Embora os coletores de água de pele animal sejam mais duradouros – com duração de até 10 anos, eles são mais caros. Hoje, as ferramentas de coleta de água são feitas das câmaras de ar dos pneus de veículos (menos caras, mas normalmente duram de dois a cinco anos).


Outras ferramentas menores são usadas para recuperar água de poço para pessoas beberem. A água é tipicamente transferida para um recipiente maior e transportada de volta para o vilarejo por mulheres a pé ou por uma carroça puxada por burros ou cavalos. Versões maiores deste coletador de água também são usadas para recuperar água de poço para animais. Em alguns poços onde a infraestrutura existe, a água é vertida diretamente da pele da água em trincheiras projetadas para animais.



Foto: Peggah Rajabi/MSF


A disponibilidade de água de qualidade é vital, mas ela está em risco no Chade, em seus arredores e em muitos outros lugares do mundo. O Chade e a região do Sahel enfrentam múltiplas crises devido a eventos climáticos extremos e alterações na sazonalidade climática. As temperaturas mais quentes e a variação entre os períodos de chuva têm impacto nas colheitas, na disponibilidade de água e na segurança alimentar.


Encontrar água adequada e potável é um enorme desafio, que está se agravando e aumentando a vulnerabilidade de muitas pessoas no país. A população do Chade já se encontra entre as mais afetadas pela emergência climática no planeta.


Yahdaibe Katchebe Bienvenu, assistente de serviços de água e saneamento de MSF, vem da província de Sila, no sudeste do Chade, perto da fronteira com o Sudão. Em áudio, ele explica a importância da água para as pessoas na região. Em estreita colaboração com as comunidades, MSF apoiou o desenvolvimento de um sistema de cuidados de saúde comunitária sustentável.


Fonte: SITE MÉDICOS SEM FRONTEIRAS

2 visualizações0 comentário
bottom of page