Forte onda de calor antecipada se espalha pelo sul da Europa

Multiplicação das ondas de calor na Europa é consequência direta do aquecimento global


Multiplicação das ondas de calor na Europa é consequência direta do aquecimento global


A onda de calor fora de época que atinge o sul da Europa há vários dias se espalhou e se intensificou neste sábado (18) por toda França, onde são esperados recordes de temperatura, enquanto na Espanha os bombeiros continuam combatendo vários incêndios, e o norte da Itália sofre uma seca severa.


Quase todo território francês será afetado, com vários departamentos da costa atlântica e do sudoeste do país em vigilância vermelha, o nível mais alto. A previsão é de temperaturas de até 42°C.


Na sexta-feira (17), foram batidos recordes de calor para junho na França, em pelo menos 11 municípios. Entre eles, Carcassonne (sul), onde os termômetros chegaram a 40,4°C.


A multiplicação das ondas de calor na Europa é consequência direta do aquecimento global. Segundo cientistas, as emissões de gases de efeito estufa aumentam a potência, a duração e a repetição das ondas de calor.


Vários eventos esportivos e culturais foram cancelados nos departamentos franceses sob alerta vermelho, e os estudantes do ensino fundamental e médio foram liberados na sexta-feira da obrigação de irem à aula.


Além disso, medidas especiais foram tomadas em lares para idosos, instituições ainda marcadas pela onda de calor mortal de 2003, que deixou mais de 15.000 mortos.

A partir da meia-noite de hoje, podem cair tempestades na costa atlântica francesa, o que permitirá um "retrocesso progressivo" no calor, que ficará circunscrito à parte leste, informou o Serviço Météo-France.


Retiradas na Espanha

Hoje, os bombeiros continuavam a combater os incêndios na Espanha, neste que se espera que seja o último dia da onda de calor. Um destes focos já devastou 20 mil hectares no noroeste do país.


O incêndio mais intenso obrigou as autoridades a retirarem centenas de moradores de 14 localidades na Sierra de la Culebra, um maciço montanhoso na região de Castilla y León, perto da fronteira com Portugal.


De acordo com as autoridades regionais, parte dos moradores pôde voltar para suas casas na manhã deste sábado, já que as chamas se afastaram de suas casas.


Os bombeiros ainda lutam, contudo, contra focos em Caudiel, na região de Valência (leste), ou em Artesa de Segre, na Catalunha (nordeste), onde um incêndio já arrasou 1.600 hectares.


Alguns já foram controlados, especialmente no vale de Ávila (oeste) e na região de Toledo (centro), onde cerca de 900 hectares queimaram perto de um parque de diversões. Pelo menos 3.000 pessoas foram retiradas da área.


Há quase uma semana, a Espanha sofre com uma excepcional onda de calor, com temperaturas de mais de 40ºC em várias regiões. A canícula deve chegar ao fim neste domingo (19), com a chegada de uma massa de ar frio procedente do oeste, segundo a agência espanhola de meteorologia Aemet.


A Espanha, que registrou o mês de maio mais quente desde o início do século, sofreu quatro episódios de temperaturas extremas nos últimos dez meses, incluindo a atual onda de calor.


'Desastre humano'

Na Alemanha, a onda de calor começou na sexta-feira (17) e, neste sábado, os termômetros podem chegar aos 40ºC.


Pelo menos dois incêndios já foram declarados. Um deles foi em Brandemburgo, região ao redor de Berlim, destruindo 60 hectares; e o outro, já controlado, no vale de Trektal, ao sudoeste da capital, que queimou 6,5 hectares de mata.


"É hora de agir, cada ação conta", declarou o secretário-executivo da Convenção das Nações Unidas para Combater a Desertificação (UNCCD, na sigla em inglês), Ibrahim Thiaw, em uma conferência em Madri.


Na sexta-feira, a ONU pediu "ação imediata" contra a seca e a desertificação, para evitar "desastres humanos".


Fonte: Dom Total

4 visualizações0 comentário